Paróquia

Paróquia Santo Antônio (Venda Nova)

07h

09h
18h
20h
- Missa dia 31/12 Ano Novo.
19h
19h
19h
19h
18h
1ª Sexta-feira de cada mês - Missa

07h

Todo dia 13 de cada mês - Novena Perpétua e Missa

15h - exceto aos domingos

Comunidade São Pedro Apóstolo

Domingo
19h30
Você está em:

Construção da Matriz

IGREJA SANTO ANTÔNIO DE VENDA NOVA

Um sonho que vai se construindo na fé e na luta!

“A paciência do povo de Deus, que suporta com fé as provações cotidianas da vida, é o que faz a Igreja seguir adiante.” (Papa Francisco)

Quando Pe. Célio chegou à Paróquia de Santo Antônio, encontrou toda a área que pertence à igreja ocupada por empréstimo ou aluguel. Onde hoje foi construído o Edifício D. Conceição, funcionava uma Oficina Mecânica de Automóveis. A Sociedade São Vicente de Paulo já havia deixado o local que ocupava antes. O CEPASA, onde nos encontramos para celebrar atualmente, estava alugado para o Prof. Sales, com a Escola Helena Bicalho, e onde funciona a Casa de Nazaré era utilizado pelo IPSEMG. Após várias negociações e muito diálogo, todo este espaço que era usado para outros fins foi devolvido à Paróquia.

Desde 2001, a Paróquia Santo Antônio vem passando por um grande momento de transformação documental. O pároco dessa época, Pe. Célio Silva Diniz (Pe. Celinho), iniciou um trabalho de regularização, tanto pastoral, quanto administrativo. A Paróquia só possuía a posse do imóvel territorial, mas não tinha a documentação sobre o mesmo. O primeiro passo de Pe. Celinho foi organizar uma equipe para providenciar os documentos oficias, já que a posse do terreno era muito complexa. Esta equipe foi composta pelo Dr. Juarez Amorim, Dr. Paulo Lara, Prof. Inacinho Alvarenga, Dra. Edna, Dra. Marília e Pe. Célio que providenciaram o registro do imóvel por usucapião para ter a reintegração da área atual documentado em juízo. Houve uma indenização efetuada pelo Pároco – Administrador da Paróquia (Pe. Celinho), no valor de R$ 80.000,00 (oitenta mil reais) ao Sr. Antônio Matias, irmão do nosso saudoso finado Pe. José Marzano Matias, cujas testemunhas foram Dona Prosperina e Sr. Hugo Froes, antigo Tabelião. O indenizado residia no terreno da igreja e possuía uma escritura que atestava que o lote era de propriedade sua.

Surgiu então uma nova comissão composta por Pe. Célio, Dra. Edna, Dra. Marília, Vereador Silvinho Rezende, Prof. Inacinho e Dr. Admar com o intuito de organizar a comunidade para realizar diversos trabalhos e eventos que arrecadassem verbas para reerguer a nova Igreja Matriz de Venda Nova, pois a antiga já estava condenada, e sua demolição foi feita com a autorização da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte e também da Arquidiocese. Para tal serviço, a Engenheira Márcia Antônia Souza Diniz – Responsável Técnica (RT) –  começou a trabalhar com as obras da Igreja. Ao providenciar a documentação solicitada pela Prefeitura, ela descobriu que o imóvel era em área indivisa e não possuía o Cadastro de Planta Territorial no município. Até então, a paróquia tinha o registro de posse (usucapião), IPTU, pois não existia índice cadastral e foi em 2004 que a área foi registrada em nome da Mitra Arquidiocesana de Belo Horizonte.

Depois da demolição da igreja, entendeu-se necessário um espaço para reunir os fiéis para celebração. Foi aí que começamos a utilizar o CEPASA como espaço provisório. Porém, a dificuldade de resolver a liberação da nova construção nos fez reunir no mesmo espaço até hoje. O mesmo terreno da igreja, que necessita da documentação registrada e liberada no cartório, aguarda a permuta com o lote onde hoje é localizado o COMBASP.  De acordo com a legislação municipal, qualquer construção se exige uma taxa referente a 15% do terreno paga à PBH e como não tínhamos como pagar essa porcentagem, então, a Arquidiocese ofereceu como permuta o terreno do COMBASP que pertencia à Mitra Arquidiocesana de Belo Horizonte, cuja doação foi feita pelo Vereador Antônio Pinheiro. Porém, o que está dificultando essa troca é que o terreno se encontra ainda em processo de regulamentação junto ao Cartório. Com toda essa delonga processual das documentações e a demolição das construções residenciais, surgiu a ideia da construção do Centro Pastoral o Edifício Dona Conceição, que acolheu todos os grupos, movimentos e pastorais paroquiais e forâneos, concluído em 2006.

Toda área ficou exposta com a demolição da igreja antiga e a construção do Centro Pastoral havendo a necessidade de cercar toda a área da igreja, pois houve uma denúncia de que a Paróquia estaria se apoderando de um espaço público. Contudo, o espaço cercado era de posse da igreja. Nessa ocasião já possuíamos o documento de posse (usucapião). Entretanto, foi necessário o envolvimento político na Câmera Municipal para resolver essas pendências. Foi criada uma comissão com o vereador Silvinho Resende, o professor Inácio Alvarenga, o advogado Admar e a engenheira Márcia Diniz. Depois de muitas reuniões e discussões sobre a situação, o vereador providenciou a desafetação e convocou em votação na Câmera de Belo Horizonte e tendo na plenária os 41 votos dos vareadores. A Prefeitura assinou a documentação comprovando que toda área cercada pertencia à Paróquia. O próximo passo foi regularizar e criar o índice cadastral para entrar com o projeto de desmembramento da área de registro oficializada em Lei pelo Prefeito da época, que demanda agora da Lei de ocupação do solo.

A luta continua e a comunidade não desiste de seu sonho de edificar a igreja Matriz de Santo Antônio. Com a chegada do Pe. José Alves de Deus (Pe. Zezinho), o atual Pároco e Administrador Paroquial, que foi nomeado no dia 31 de janeiro de 2015, vem acompanhando o processo administrativo dessa permuta dos lotes, e segundo os responsáveis do caso junto à prefeitura, tudo está sendo encaminhado conforme os tramites normais. Após alguns meses da chegada do Pe. Zezinho, a Paróquia recebeu uma notificação do Corpo de Bombeiros, solicitando a adaptação do Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio no CEPASA, pois o espaço que hoje é utilizado para as celebrações não está adaptado conforme a legislação de segurança.